DIREITA & ESQUERDA - Você sabe a diferença?

Entenda como surgiu a esquerda e sua verdadeira essência.

Por Josinelio Muniz 09/02/2022 - 14:00 hs

Dilema conservador: conhecer a distinção exata entre esquerda e direita. Claro, o artigo não conseguirá esgotar o tema, mas vamos ao que der.

 

O termo DIREITA e ESQUERDA surgiu em certa reunião realizada pelo império francês nos meados do ano 1791. Dois grupos, os jacobinos e os girondinos, ocuparam o salão. Na sala, os jacobinos, se posicionaram a esquerda, o lado que estava pintado de vermelho. Enquanto, os girondinos se posicionaram a direita, que era azul. Quem não tinha nada a ver com a discussão, mas estava lá por curiosidade ficou no centro. Pronto! A partir daí nomeou-se o posicionamento político da sociedade global até nossos dias.

Menos de cem anos mais tarde, um sujeito por nome Karl Marx e seu amigo Engels, utilizando os aspectos da dita reunião imperial, posicionado do lado da revolução jacobina, iniciou com êxito sua obra.

 

Marx, batizou e dividiu a sociedade em PROLETARIADO e PATRIARCADO, por quê?

É importante demais conhecer as origens genealógica e as crenças de Marx, elas influenciaram profundamente sua ideologia. Um judeu frustrado, que não se conformou com a jornada do povo hebreu em volta dos séculos, a começar por seu pai, um rabino, que obrigou-se abandonar a religião que amava tornando-se luterano para conseguir exercer a profissão de advogado. Tais fatos faziam Marx questionar a crença dos pais. Junte-se a isso, numa época de constantes questionamentos elaborados pelos intelectuais. Em alta, naquele momento, o iluminismo, muita gente poderosa colocando em dúvida a autoridade da Bíblia. Perguntas como: Por onde estava Deus durante todos os desafios e sofrimento do povo hebreu? Afirmações duras como: Quem escreveu a Bíblia senão comedores de feijão.

 

O próprio conceito central iluminista dizia: “a luz da razão, contra as trevas da superstição religiosa”. A soma desse conjunto, Marx, entendeu que Deus não cuidava de ninguém, ou, era mera imaginação. Por isso concluiu: A religião é o ópio do povo.

 

Marx, compreendeu que os livros da autoria de Moisés era o problema que precisava ser vencido.

 

Pois é, para qualquer judeu devoto os escritos de Moisés são irrepreensíveis. É a parte mais importante e valiosa da Bíblia, conhecida como Torah – Instrução.

 

Sim, aqueles escritos tinham influenciado a humanidade. Foram eles que fez nascer os cristãos, gente que seguia os ensinamentos de Cristo, o judeu que dividiu a história, e esse pregador, se baseará exatamente lá, na Torah. Na teologia cristã, a Torah, foi dado o nome de Pentateuco.

 

Talvez deva se perguntar: Dê onde Marx tirou o termo patriarcado? Exato, da Torah. Ora! Ora! Quem são os patriarcas? Nem precisa dar meia volta, é lógica: Abraão, Isaque e Jacó.

Quem escreveu sobre eles? Moisés, o autor dos cinco primeiros livros da Bíblia. Através desses escritos, Deus, INSTRUIU a humanidade e os patriarcas era o modelo principal.

 

Marx, sabia que as bases do PATRIARCADO estavam fincadas na sociedade e as famílias da terra possuíam uma direção vinda de Moisés. O patriarcado não era mera ideologia, era parte comum do povo.

 

A partir de tais conclusões, Marx, iniciou o sistema político contrário ao disposto por Moisés e instruído pelos Patriarcas a começar pela propriedade privada que era um erro, a forma de distribuir a renda também era outro erro. Ou, Deus não sabia fazer ou, usava de injustiça pois, para uns dava muito, para outros, não dava nada.

 

Marx relatou dizendo que, “A história da humanidade até nossos dias era a luta de classes". Para ele uma classe dominante se beneficiava da outra e muita tinha a ver com o modelo familiar tradicional que estabelecia a hierarquia.

Em Marx, inicia a remodelagem do sistema tradicional. Surge o Socialismo, o anticonservadorismo, a valoração calorosa ao ateísmo; o resultado exitoso do todo se chamaria Comunismo. Era o governo do proletariado, das minorias, onde todos seriam iguais. Bonitinho, né? Mas, amplamente contrário a Bíblia. Marx, se tornou inimigo do patriarcado.


 Talvez assim fique fácil entender que, não é possível ser de Esquerda e Cristão, são opostos. Entende?

 

O PODER DO ESTADO

O Estado, que até ali era termo recente, é a definição da ordem pública, sociedade jurídica que se compunha por três aspectos basilares: povo, território e governo. Um sistema organizado por leis constituintes e na condição de sociedade pública dividiria a renda, extinguiria a propriedade privada, transformaria a tradição familiar e a hierarquia, assim, o Estado faria o papel de deus.

 

Compreende agora qual o propósito da Ideologia de Gênero e o avanço do projeto feminista? Sim, é a nova forma de política familiar. Anticonservadorismo na prática.

O que é o Movimento Sem Terra, Desarmamento Civil, Bolsas sobre bolsas, mais e mais pessoas mamando no Estado? Sim, é o governo absoluto garantista combatendo a propriedade privada.

 

Quanto maior o Estado, menos poderes as pessoas possuem.

Talvez sem perceber, mesmo porque faz parte do projeto original, mas o Estado Grande definha a criatividade, o autodesenvolvimento pessoal e a fé.

 

 Sim, a ideia é que todos esperem no Estado seu socorro.

 

Nas entrelinhas, é o fim motivador do patriarca Jacó que saiu da casa do pai sem nada e vinte anos depois a fé e a autoconfiança transformaram sua vida, retornou a casa do pai milionário. Sim, a ideia é acabar com a meritocracia. Tudo é o Estado.

Bom, não sejamos mais extensos, qual lado você está? Jacobino ou Girondino? Esquerda ou Direita? Proletariado ou Patriarcado? Moisés ou Marx? A Bíblia ou o Iluminismo?

Sim, pois, a Bíblia tem lado, quem decidiu foi a dialética marxista.