Ano Novo Judaico

Nos dias 7 e 8 de setembro, celebramos a entrada do ano de 5.782 do calendário judaico com a festividade de Rosh Hashaná

Por Sr. Aviel Avraham 06/09/2021 - 12:02 hs

Nos dias 7 e 8 de setembro, celebramos a entrada do ano de 5.782 do calendário judaico com a festividade de Rosh Hashaná.

Cheia de rituais, Rosh Hashaná, que significa cabeça do ano, marca a criação de Adão e Eva, além do dia em que D’us inscreve no livro da vida os nomes dos que viverão ou morrerão. É de costume servir, no jantar da véspera de Rosh Hashaná, pratos doces, especialmente a maçã mergulhada no mel, no desejo de que o ano seja doce, além da romã que, com suas 613 sementes, relembra o número de mitzvot, que são os mandamentos da Torá. Do lado dos salgados, serve-se a chalá redonda, pão cujo formato nos relembra do caráter cíclico da vida. Através destes símbolos conseguimos adquirir uma nova perspectiva sobre fatos passados e futuros.

Em Israel, durante o Rosh Hashaná, as ruas são tomadas pelo toque do shofar, pequena trombeta feita de chifre de carneiro que nos convida à reflexão e nos relembra da possibilidade de começar o ano sem pecados. Para livrar-se deles, aliás, costuma-se jogar migalhas de pão no mar ou em lagos, além de recitar os salmos e rezas de arrependimento e pedidos de piedade a Hashem, conhecidos como Selicot. No mesmo sentido, são acrescentadas três bênçãos, ao invés de uma só, à reza de Mussaf.

As comemorações de Rosh Hashaná, junto à celebração de Yom Kippur (dia do perdão), marca o período das grandes festas em Israel. Espero que também aqui no Brasil os próximos dias sejam mais alegres e repletos do espírito de renovação inerente à Rosh Hashaná. Assim, desejo a todos Gmar Chatimá Tová (que você seja inscrito no livro da vida) e Shana Tová Umetuká (que você tenha um ano próspero e doce).