Quem será a próxima geração?

O Homem e a máquina

Por Geane Marinho 31/03/2021 - 14:53 hs


 " Salvai-vos desta geração perversa".  Atos 2:40


Vivemos um momento histórico onde a ficção tecnológica não é mais meramente um sonho ou uma fantasia da mente humana. É uma realidade, tonou-se uma necessidade a virtualização mundial. A tecnologia da informação e comunicação se expandiu com uma velocidade incrível. Hoje é possível falar com qualquer pessoa em qualquer lugar do mundo, falamos em tempo real de forma virtual.

Que fenômeno mundial é esse? É como uma gigantesca teia emaranhada que conecta tudo e todos ao mesmo tempo. São milhares de indivíduos humanos por toda parte do planeta independente de cultura, religião, ou classe social, todos encontram-se vivenciando as mais diversas relações de forma virtual. No entanto o ser humano nunca esteve tão solitário, depressivo e vulnerável.

No atual cenário mundial da pandemia COVID-19.O uso da tecnologia da informação e comunicação são consideradas ferramentas essenciais, por possibilitar a transmissão de informações importantes e relações de trabalho entre outras. Ao mesmo tempo é possível observar que tudo colabora para a maior interação da história da humanidade, onde homem e máquina estreitam relações e se juntam cada vez mais, enquanto que se distanciam da sua verdadeira essência e propósito para o qual foi criado ... ser um bom humano.

Já parou pra pensar nos impactos desse novo sistema? Como estão os laços afetivos entre pais, filhos e famílias? Logo ao nascer, o bebê  que deveria ser envolvidos pelos braços da mãe enquanto mama, são colocadas em berços aquecidos por máquinas. Quem conta às histórias para as crianças, mães ou as máquinas? Quem canta as cantigas infantis?

As famílias não mais se encontram regularmente e quando se veem não se abraçam não se tocam, não compartilham refeições em volta da mesa, todos sempre muito ocupados nas telas. Se o bebê chora ou pede atenção logo estará paralisado e silenciado diante do celular ou do tablete, as crianças maiores aprendem em frente às telas e não mais na interação com outros humanos, não podem vivenciar as trocas de carinho, afeto e conhecimento. Quem fala sobre o amor incondicional de Deus, como são transmitidos os valores referentes à fé?

"O homem não nasce humano ele se humaniza" -  Lev Vygotsky (1896-1934) diz que não nascemos humanos aprendemos a ser humanos, ou seja, somos ensinados a partir das relações com outros e com o ambiente. A bíblia nos orienta sobre ensinar as crianças, porém é preciso pontuar a responsabilidade dessa tarefa e  como ensinar? Como condutores devemos saber que nossa maior e melhor forma para ensinar, é o exemplo. Por isso Provérbios 22.6 diz:       

 “ Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele”.  

Observe que diz, ensina no caminho que deve andar e não o caminho (grifo meu). Os bebês vem para um mundo desconhecido que ele não ajudou a criar, deste modo tudo que lhe for imposto ele vai submete-se e não importa se é bom ou mal. Portanto cabe aos tutores, a sociedade, ajudar as crianças neste processo de aprendizagem e desenvolvimento respeitando seus direitos e ensinando os deveres. Diante disto podemos repensar nossas escolhas e atitudes enquanto tutores. A palavra de Deus nos  deu autoridade para ensinar, não podemos descuidar das crianças, pois a mesma é a base das futuras gerações; é preciso um freio, uma borda para conter a velocidade de tanta informação despejada sobre os nossos descendentes, muitos se tornam vítimas indefesas desse novo processo e as consequências podem ser irreversíveis.


Falaremos mais sobre isso...


Geane Marinho.