Seja bem-vindo
São Paulo, 04/03/2024

    • A +
    • A -
    Publicidade

    Empresa chinesa aposta em pagamento por meio da mão

    Tecnologia tem se mostrado tendência no mundo. Saiba mais


    Empresa chinesa aposta em pagamento por meio da mão Freepik

    A implementação de chips para pagamentos tem perdido muito espaço para algo bem mais simples: a leitura biométrica da palma da mão.


    O que está acontecendo:

    A Tencent é uma grande empresa de internet da China (comparada com a Google ou a Alibaba). E, recentemente, ela ingressou no mercado de pagamentos por meio de leitura da palma da mão, o que a empresa classifica como muito promissor. Na rede social X (antiga Twitter), a Tencent publicou: “Desde melhor acesso aos cuidados de saúde para crianças até pagamentos de palma de alta tecnologia, a Tencent se esforça para tornar a vida mais fácil e inclusiva”.


    Como funciona:

    A Tencent é dona do aplicativo WeChat (similar a um WhatsApp “empoderado” em que os chineses utilizam para tudo no dia a dia, até mesmo para realizar pagamentos como se fosse um aplicativo de banco). Então, com a biometria, o desconto do valor pago vem direto da conta da pessoa no WeChat. Confira o vídeo abaixo:



    Mais prático:

    Essa tecnologia já é conhecida no ocidente por meio de outras empresas, como a Amazon (o Portal Universal.org já trouxe esse assunto). Entretanto, o que chama atenção é a popularização da tecnologia e a praticidade de implementá-la frente ao chip RFID, por exemplo, ou outros meios. Basta um leitor e algoritmos, sem objetos sob a pele.


    Dinheiro digital:

    Não é novidade também que o dinheiro de papel tem caído em desuso e a tendência é que a economia seja cada vez mais digitalizada.


    Segundo um relatório do próprio Banco Central brasileiro, por exemplo, diante de todas as transações feitas desde lançamento do Pix até dezembro de 2022, o Pix correspondia a 61% dos pagamentos inferiores a R$ 100,00.

    Em agosto do ano passado, também foi criada a Central Bank Digital Currency (CBDC) do Banco Central brasileiro, mais conhecida como a moeda “Real Digital” ou “Drex”. Vale acrescentar que os demais países também estão na corrida por suas moedas digitais oficiais.

    Geopolítica pelo mundo:

    Com relação à configuração do mundo, o cenário está cada vez mais complicado:


    O conflito entre Israel e Hamas completou 100 dias, no dia 15 de janeiro.

    Os navios comerciais têm sido atacados por rebeldes Houthis no Mar Vermelho, o que força navios contornarem a África.

    Os Houthis são apoiados pelo Irã e pelo Teerã (em outras palavras, trata-se de uma ofensiva indireta contra Israel e seus apoiadores).

    Os EUA (com a ajuda do Reino Unido) atacaram, assim, Houthis, no Iêmem.

    Em 17 de janeiro, o Irã atacou o Paquistão, que revidou no dia seguinte. O conflito foi uma espécie de “mal entendido” em que o Irã, na verdade, queria atacar os separatistas, inimigos comuns aos dois países. Porém, o Irã não poderia ter atacado esses separatistas sem a “autorização” do Paquistão.

    O Irã, no período, se envolveu em 3 ataques. Um contra a Síria, por causa do Estado Islâmico. No Curdistão iraquiano, foi contra uma possível base israelense. E o ataque ao Paquistão, mencionado anteriormente.

    Há, ainda, a questão envolvendo Rússia e Ucrânia. A Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) afirmou ter colocado em operação o seu maior exercício militar em 35 anos. O objetivo é manter o ensaio até maio em países da região da Rússia, que considerou um avanço do ocidente contra ela, fazendo uma referência aos tempos da Guerra Fria.

    A China tem se mostrado mais voltada para a Rússia, atualmente. Entretanto, ela se mantém uma importante parceira comercial de vários países.

    Este cenário mostra que há uma grande instabilidade pelo mundo. Assim, é importante acompanhar os desdobramentos do que está por vir. A história mostra que tempos de guerras podem gerar alianças e novas conformações geopolíticas.

    Conclusão:

    A Bíblia sempre alertou para as guerras e rumores de guerras (Mateus 24). A diferença do cenário atual para a antiguidade está no tamanho da proporção desses eventos. O fim deste mundo será marcado por uma nova liderança global (Apocalipse 6) e a implantação de um novo sistema em que as pessoas participarão para comprar ou vender (Apocalipse 13).




    COMENTÁRIOS

    Buscar

    Alterar Local

    Anuncie Aqui

    Escolha abaixo onde deseja anunciar.

    Efetue o Login