Seja bem-vindo
São Paulo, 18/07/2024

    • A +
    • A -
    Publicidade

    A história de Gideão – parte 26

    Vida de rei

    Fonte: Reprodução/Universal.org
    A história de Gideão – parte 26 Reprodução/Universal.org

    Vida de rei: (Juízes 8.29-32)


    Depois de tudo, com a terra já sossegada e ainda aceitando a honra dos filhos de Israel, Gideão volta para casa e começa a colecionar mulheres, a ponto de ter setenta filhos, como faziam os reis das terras vizinhas.

    Ou seja, aquela conversa de “eu não reinarei sobre vocês, nem meu filho. O Senhor reinará sobre vocês”, era só pra inglês ver. Na prática, ele era tratado como rei, se sentia rei e passou a viver como rei. Tanto é que, de uma concubina que ele tinha em Siquém, nasce um filho que recebe o nome de Abimeleque.

    Este nome, Abimeleque, significa “meu pai é rei”. Por que a concubina coloca esse nome no filho, se Gideão não é rei? Obviamente, porque era assim que ele se via e era visto. A Bíblia não fala mais detalhes sobre a vida de Gideão. Só o que diz é que ele morreu em uma boa velhice. Então, teve tempo de se arrepender e se consertar, e esperamos que tenha feito isso.

    Mas o que fica para nós é a lição de que é preciso vigiar para que a vitória que tanto buscamos no Altar nunca tome o lugar de Deus. A fé que nos levou ao Altar, que nos deu a vitória com Deus, deve ser mantida, junto com o temor e a sinceridade. O diabo conseguiu roubar a sinceridade de Gideão. Ele tentou, em vão, roubar a sinceridade de Jó. Isso nos faz entender que é esse seu modus operandi: sempre vai tentar roubar a sinceridade da pessoa, para assim cortar a conexão dela com Deus e ganhar espaço para roubar sua alma. É nisso que devemos vigiar.


    Continua…


    Não perca!

    Vanessa Lampert




    COMENTÁRIOS

    Buscar

    Alterar Local

    Anuncie Aqui

    Escolha abaixo onde deseja anunciar.

    Efetue o Login