Netflix reconhece que especial do Porta dos Fundos ofende cristãos

Milhares de pessoas assinaram petições no Brasil e em outros países solicitando a retirada do filme da plataforma

Por Redação Unigrejas 10/09/2020 - 18:13 hs
Foto: Reprodução

De acordo com o site ACI digital, no dia 9 de setembro um representante legal da Netflix na Espanha reconheceu, em declaração perante o juiz, que o filme "A Primeira Tentação de Cristo", que apresenta Jesus como um homossexual e Maria como uma prostituta, é ofensivo para os cristãos.

A publicação explica que a Associação de Advogados Cristãos apresentou na Espanha uma denúncia que a plataforma de conteúdo online, com a veiculação deste filme, cometeu crime contra os sentimentos religiosos na forma de escárnio. 

Filme não concorrerá ao Emmy

Após a repercussão negativa de “A Primeira Tentação de Cristo”, a Netflix decidiu não inscrever este filme na disputa pelo Emmy Internacional. No ano passado, a produtora havia vencido como melhor comédia com outra obra blasfema do Porta dos Fundos, “Se Beber, não Ceie”.

Após o lançamento de “A Primeira Tentação de Cristo” em dezembro de 2019, muitos criticaram a obra por seu conteúdo blasfemo. Milhares de pessoas assinaram petições no Brasil e em outros países solicitando a retirada do filme da plataforma, bem como realizaram campanhas pelo cancelamento da assinatura da Netflix.

Além disso, em janeiro deste ano, o desembargador Benedicto Abicair, da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio, determinou que a Netflix retirasse do ar o filme, atendendo ao pedido da Associação Centro Dom Bosco de Fé e Cultura.

Na decisão, o desembargador assinalou que “o direito à liberdade de expressão, imprensa e artística não é absoluto” e “que deve haver ponderação para que excessos não ocorram, evitando-se consequências nefastas para muitos, por eventual insensatez de poucos”.

Entretanto, Netflix recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF), que autorizou a exibição do filme.