O Jordão e o Deserto

“O Espírito do Senhor está sobre mim e me ungiu...” Isaías 61

Por Salomão Liberato Jr 10/12/2019 - 20:39 hs

“Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão e foi guiado pelo mesmo Espírito, no deserto, durante quarenta dias, sendo tentado pelo diabo. Nada comeu naqueles dias, ao fim dos quais teve fome.” (Lucas 4.1-2)

Se teve um homem nessa terra que foi plenamente cheio do Espírito Santo, esse homem foi Jesus de Nazaré. Não havia nele um centímetro sequer que não estivesse encharcado da ‘Shekinah’. Na sinagoga Ele declarou publicamente o profeta Isaías: “O Espírito do Senhor está sobre mim e me ungiu...” E nessa unção curou os doentes, libertou os cativos de satanás, fez sinais e maravilhas e anunciou o evangelho da graça. 

E, após, morrer e ser sepultado, ao terceiro dia Ele ressuscitou no poder do Espírito Santo. Aleluia!

Ao iniciar seu ministério terreno Ele foi até João Batista para ser batizado no Jordão. Apesar de um rio ser sempre um lugar agradável e de convivência aquele rio é o mais baixo da terra, que deságua no Mar Morto, 400 metros abaixo do nível do mar. 

Naquele ribeiro estava acontecendo um avivamento espiritual liderado por um homem simples e autêntico. Sua mensagem dura atraia uma multidão de pessoas das cidades vizinhas que desciam ao Jordão para ouvi-lo. 

O Espírito guiava Jesus para dá o pontapé inicial da sua obra vicária num lugar baixo, o rio Jordão, o mesmo rio que o general sírio Naamã, desprezou. O Salvador não começou sua obra no palácio de Herodes, não iniciou sob a benção de César, nem no majestoso átrio do templo judaico. 

Eis um segredo para aprendermos com Jesus. Comece o sua caminhada ouvindo o Espírito e disposto a ser testado. Se prepare, pois Ele vai iniciar essa obra na tua vida te levando por lugares baixos, mergulhando em jordões. 

O ministério não é lugar de pompa, luxo, aplausos, exposições, riquezas... O Chamado é para aqueles que ouvem o Espírito, permitem ser guiados por Ele e não têm medo de ‘descer’.

Na verdade, aqui na terra o lugar mais alto que Cristo esteve foi no monte alto para ver todos os reinos da terra e ser tentado por Satanás. Cuidado com os lugares altos!

No entanto, o Rio Jordão não foi o lugar difícil que Cristo enfrentou. Pelo contrário, o movimento Batista do Jordão tornou-se uma grande festa da manifestação pública da aprovação do Pai ao ministério do Filho. Mas agora, o Espírito guia Jesus para o deserto. 

Enquanto muitos acham que  o deserto é obra do Diabo, a Palavra nos ensina que o Vento Celestial também nos leva pra lá, para sermos provados. Todo ministério aprovado já foi provado no deserto. Todo chamado será afligido. Toda fé terá que ser testada no calor do ermo. 

Ali no deserto não há João, não tem  voz pública do Pai, não tem água, não tem alívio. Se você nunca andou por esse caminho saiba que lá tem solidão, fome, quebrantamento, fraqueza, renúncia e tentações. 

Alguns desistem aqui. Passaram pelo Jordão com louvor mas não suportaram o deserto de dor. Outros se deixaram levar pelo banquete apresentado pela Serpente e ruíram da posição em Cristo. Há aqueles que até venceram o deserto e Satanás, porém, não conseguiram entender o propósito da provação. Mas a maioria perseverou aqui, nesse mar de areia e solitude. Nessa perseverança muitos outros foram inspirados a também desbravar os desafios da vida. 

Meu amigo, se você foi chamado para o Santo Ministério, então prepare-se! O Espírito Santo que acendeu a chama missionária em você, também acenderá a chama da provação, te levando por lugares baixos, como o Jordão, e por lugares mais difíceis, ainda, como o deserto. 

Porém, Ele não te levará para a morte, pois o deserto não é lugar de crente morrer. Deserto é lugar de preparação, provação e promoção. Você vai sair mais forte do que entrou. Deixa o Espírito te guiar.