A Verdade nua e crua

Sabemos que o Senhor Jesus é a própria Verdade, logo, Ele não aceita nada menos do que a Verdade. Entenda

Por Núbia Siqueira 01/12/2019 - 21:55 hs

Em um dos encontros entre os religiosos e o Senhor Jesus, temos o retrato de como a mente farisaica funciona e está presente também em nossos dias.

Eles foram interrogar Jesus que, por sua vez, devolveu a pergunta para expor o quanto eles estavam equivocados em sua profissão de fé.

Uma questão foi proposta: o batismo de João é do céu ou dos homens?

Algo tão simples fez com que aqueles religiosos ficassem debatendo entre si o tipo de resposta que dariam para não se comprometer. Ficaram a ponderar, a fim de não dar razão ao Senhor Jesus e, tampouco, perderem sua reputação diante dos homens.

“E eles arrazoavam entre si, dizendo: Se dissermos: Do céu, ele nos dirá: Então por que o não crestes? Se, porém, dissermos: Dos homens, tememos o povo. Porque todos sustentavam que João verdadeiramente era profeta. E, respondendo, disseram a Jesus: Não sabemos. E Jesus lhes replicou: Também Eu vos não direi com que autoridade faço estas coisas.”

(Mc 11.31-33)

Vemos com o exemplo dos religiosos que quando articulamos, ou quando temos que pensar muito no que vamos responder, é porque de alguma forma, não estamos sendo realmente verdadeiros.

Segundo os dicionários, o significado da palavra sincero está associado à expressão oral e comportamental sem artifícios, ou seja, agir sem qualquer intenção de enganar ou camuflar o que sente ou pensa.

Por isso, entendemos bem o motivo de Deus agradar-Se sempre da sinceridade e esperá-la de nós em todos os relacionamentos, principalmente, com Ele.

Sabemos que o Senhor Jesus é a própria Verdade, logo, Ele não aceita nada menos do que a Verdade, por ser essa a essência do Seu Ser.

O Espírito Santo também é chamado de Espírito da Verdade, e o Seu trabalho em nosso ser será sempre firmado sobre esse pilar.

Jesus salvou a muitos, mas não pôde salvar os hipócritas. Eles continuaram cegos e com os céus fechados sobre suas cabeças.

E aí eu me pergunto: não seria esse também o motivo de muitos estarem dentro da igreja, até com funções na Obra de Deus, mas, continuarem com os mesmos problemas e sendo as mesmas pessoas por anos?

Durante a nossa caminhada com Deus sempre haverá coisas a serem reparadas, mas para acontecer essa transformação diária é preciso assumir a nossa condição espiritual.

Sem “passar panos” para aliviar a feiura escondida no nosso íntimo. Esse autoexame é estritamente pessoal e intransferível, e quem quiser, a exemplo dos fariseus, conservar sua imagem e reputação diante dos homens, perderá sua alma.

Penso que em todas as áreas da vida devemos andar com sinceridade, mas, especialmente, no exercício da fé.

Porque, não tem uma dupla mais poderosa e invencível em qualquer situação, que a Verdade e a prática da Verdade.